O caminho do consultor

Perguntaram-me sobre como ser um consultor independente – diversas vezes, aliás, mas como gostei da ideia de montar um curso sobre isso, acabei endereçando o tema mais recentemente… Eis o que considero os fundamentos da profissão.

Em primeiro lugar, consultoria é um estilo de vida. Pois como poderia alguém ajudar a fazer qualquer tipo de aperfeiçoamento se antes, ele próprio, não está acostumado com isso? Então, não é questão de conquistar um patamar financeiro para realizar um determinado modus vivendi. É o contrário.

Seria impossível fazer diagnósticos, tentando identificar causas de problema e vetores de êxito, se o profissional não se conhece a si mesmo. Antes de conhecer negócios e organizações, há que se disciplinar em auto-conhecer-se.

Depois, não basta ver a situação. Também temos de ajudar a melhorar as coisas. Assim, é imprescindível estar você mesmo habituado às melhorias. Antes de transformar negócios e organizações, devemos ter a disciplina do auto-desenvolvimento.

Em seguida, vem o grande desafio de conduzir as mudanças, assessorando os líderes a implantar novas ideias, reestruturar áreas de trabalho, formar equipes, otimizar processos, definir estratégias de mercado etc. Isso só pode ser efetivo se o consultor, ele mesmo, se compromete com suas ideias. Antes de ajudar negócios e organizações expressarem o seu melhor, temos de ter a capacidade da auto-expressão.

Por fim, constatar o valor das mudanças e os benefícios da cada proposta/projeto. Como seria possível ser valorizado pelos clientes sem confirmar os resultados e ganhos que pode produzir. Logo, antes do prestígio junto a negócios e organizações, é necessário auto-valorização.

Consultoria depende de quatro fundamentos: Conhecer-se, Transformar-se, Expressar-se e Valorizar-se. Daí vem todo o resto. Metodologias, ferramentas, técnicas… tudo isso é fácil. Difícil é saber usá-las.

Nunca conheci gente capaz de fazer um bom trabalho apenas copiando teorias. Excelência é singular, não massiva. Trata-se de inteligência, não de esperteza.

Se você pretende trilhar essa via, comece por ser um exemplo do que propõe para os seus clientes. Além de moral, é eficaz. Além de bonito, é bom.

—-

O caminho do consultor é de autenticidade. O bom consultor não é um papagaio que replica modismos de gestão, mas um original conselheiro e um fiel parceiro para melhorar as condições do negócio na prática.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s