“O inimigo do meu inimigo é meu amigo”

Últimos três da lista dos clientes difíceis:

 

“O inimigo do meu inimigo é meu amigo”

São os clientes que adoram política. Ou politicagem? Depende da intencionalidade, mas o que importa é aproveitar o interesse dele para desenvolver o seu trabalho com mais eficácia.

Normalmente este cliente quer saber sobre como as pessoas ou as diferentes áreas da empresa estão lidando com o assunto e, claro, ele quer influenciar o modo como você comunica e implementa as ações. Recomendo não aceitar passivamente, mas tampouco discordar. Cuidado com sua própria vaidade. Em primeiro lugar, o cliente tem o direito de definir como quer que o trabalho seja feito. Se algo estiver indo de encontro às suas ideias e recomendações, fale isso para ele. Busque sua ajuda e comprometimento para que todos ganhem.

 

“Tipo assim, você sabe”

Algumas pessoas simplesmente têm dificuldade de expressão. Não julgue, não se incomode.

Embora o profissional do conhecimento prefira, em geral, perguntas abertas – para interagir com maior aproveitamento das inteligências, do cliente e da equipe, em certos casos o melhor é trabalhar com perguntas fechadas e recomendações pré-definidas. O único cuidado é que não podemos cair no exagero e tomar decisões pelo cliente. Então, na prática, significa apresentar alternativas bem objetivas e ajudá-lo a decidir.

 

“Ah, a propósito”

Se o cliente não lhe convidou para uma reunião importante ou não lhe comunicou de um fato relevante, possivelmente você vai se incomodar.  Não se incomode. Procure saber o porquê.

É possível que esteja negligenciando suas qualidades, sim. Mas pode ser também porque você é visto como especialista em uma área e eles não sabem que poderia ajudar em outras coisas. Pode ser, ainda, que eles deliberadamente querem lhe afastar de certos assuntos. Seja como for, converse com o cliente sobre isso diretamente. Comente que você se sente de fora de coisas importantes e que, talvez, poderia ajudar. Deixe ele responder e busque o consenso sobre como deverá ser daí para frente.

 

Estar consciente de servir o cliente é o principal. Jamais leve para o lado pessoal uma dificuldade dessas. Um incômodo pode ser sintoma de algo importante, portanto não deve ser negado. Entretanto, você tampouco precisa ficar frustrado ou pensar em desistir. Todo grande profissional tem histórias para contar a respeito. Quem sabe, até, este seja um indicativo de experiência autoridade.

—-

Obviamente essa lista não exaure o tema dos “clientes difíceis”. São apenas estereótipos para dar alguma referência e pensar no assunto. Quando acumulamos experiência profissional, aprendemos muito sobre esse tipo de coisa. Se lhe falta experiência para reconhecer esses (ou outros) tipos, fique tranquilo. A descoberta e a classificação dessas figuras é uma coisa divertida, então, divirta-se. E depois, conte as histórias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s