Visioning

Finalizando a série de textos sobre a pesquisa de Empson e Langley a respeito da liderança em serviços profissionais, com seus nove “mecanismos” de liderança, falaremos sobre o aspecto estratégico da personificação de um modelo para a equipe. É quando o líder cria a visão de futuro para o negócio; não só cria, mas cultiva e mobiliza todos para compreender e se comprometer com ela.

Em organizações de conhecimento intensivo a ambiguidade é uma constante (muitas interpretações para o mesmo assunto). Sem omitir-se dessa constatação, é possível desenvolver um ponto comum para a convergência dos esforços de todos, para além dos estilos e opiniões individuais. Essa talvez seja uma das tarefas mais elementares para definir uma estratégia de negócio, mas nem por isso fácil de fazer.

Definir um norte, como normalmente se diz, pode ser mais difícil do que parece. Requer dedicação por parte dos sócios – tempo, energia, reuniões de trabalho, reflexão, diálogo, aprofundamento. Como se não bastasse, uma vez concebida a visão de futuro, preservá-la na memória e ocupar-se dela no dia a dia do escritório é ainda mais desafiador. A rotina operacional ameaça constantemente. Para que se perca uma meta, basta esquecer-se dela, ocupando-se com outras coisas “mais urgentes”.

Além disso, nos serviços profissionais a maioria das estratégias emerge da criatividade da equipe, ao invés de serem formalmente planificadas. Com profissionais do conhecimento é muito difícil impedir essa autonomia e espontaneidade, além do que, isso poderia ser contraproducente. Então, para que não tenhamos um grupo em que cada um vai para um lado diferente, pensando um futuro diverso, é preciso responsabilizar-se de alguma forma por um direcionamento geral.

Assumindo um modelo de comportamento orientado a realizar um sonho, mais do que simplesmente a executar tarefas, você verá que surgem, aos poucos, outros profissionais que também vão ajudar no trabalho de cultivo. E logo se estabelece um ambiente em que todos sabem para onde estão indo.

O papel do líder, neste contexto, é o de garantir a perpétua vigilância sobre os valores e o propósito do negócio. Deve ser como um atento jardineiro, desses que se ocupam de limpar as ervas daninhas e de cultivar as boas sementes, diária e incessantemente. O bom jardineiro trabalha um pouquinho a cada dia, mas já tem dentro de si a imagem completa do jardim que pretende realizar. Sem desviar-se, sem descanso, com persistência, vai concretizando no mundo real a paisagem sonhada.

—-

Gostou da metáfora? Pois uma das ferramentas de um bom líder é justamente a criação de alegorias e a contação de estórias. É preciso criar pontes entre a visão de longo prazo e a ação imediata. As estratégias podem emergir, sem serem totalmente planejadas. Contudo, para que sejam estratégias coerentes e alinhadas com a finalidade do negócio é fundamental ajudar as pessoas a verem o que você está vendo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s